JAHU. Terra de Índio

Hoje tive a honra de receber em minha sala, no Museu Municipal de Jahu, Noemi Rodrigues Bof e ser presenteado com o livro que ela e a irmã Aline Rodrigues tiveram publicado com o amparo da Lei Aldir Blanc e do apoio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo.

Noemi, a ilustradora, e Aline, a escritora, são multitalentosas, tem a arte no sangue. São filhas do renomado multiartista igaraçuense-jauense, Ricardo Fernandes Rodrigues Fernandes.

O livro de Noemi e Aline remonta à época em que os bandeirantes paulistas, na sua maioria filhos de brancos luso-brasileiros com índias brasílicas (mamelucos), adentravam, como legado da política pombalina do Império Colonial Português (séculos XVIII-XIX), o interior da Capitania de São Paulo para chegarem às minas de ouro de Cuyaba e dos Goyases.

Neste longo percurso, fosse ele por estradas de terra ou pelo Rio Anhemby (Tietê), se depararam com os antigos habitantes do Yahu. Resultados? A carnificina e a aculturação dos índios locais que sobreviveram, os quais então não tiveram sua força de trabalho tão explorada porque os colonos precursores que se assentaram na região do Jahu já possuíam escravos negros para os trabalhos árduos nas lavouras de cana e de café. O resto da história deixo para Noemi e Aline contar com maestria, criatividade e a narrativa feminina independente, crítica, a tempo no século XXI.

Obrigado às autoras. Agora o livro de vocês faz parte do acervo do museu histórico de nossa querida cidade de Jaú, estando a disposição dos que querem conhecer as nossas raízes.